Publicidade
Publicidade

Do que o Vasco precisa para não cair pela 5ª vez; entenda as contas

Derrota para o Corinthians pode recolocar o time carioca no Z-4; rebaixamento pode vir ainda esta semana com combinação de resultados

O Vasco decepcionou a torcida que lotou São Januário e perdeu por 4 a 2 para o Corinthians. O resultado complicou a situação cruzmaltina na luta contra o rebaixamento, tendo em vista a possibilidade de terminar a rodada no Z-4 do Brasileirão em caso de vitória ou empate do Bahia.

Publicidade

Após 36 rodadas, o time treinado por Ramon Díaz é o 16º colocado e tem 42 pontos, um a mais do que o 17º, que ainda enfrenta o São Paulo.

Segundo projeções matemáticas da UFMG, o resultado elevou as chances de queda do Vasco para 52,3%, o que obriga a torcida a fazer contas para se livrar da quinta queda.

Publicidade

No pior cenário, o Vasco pode ser rebaixado já na 37ª rodada. Isso ocorre caso o time carioca não vença o Grêmio, em Porto Alegre, e as seguintes combinações ocorram: duas vitórias do Bahia contra São Paulo e América Mineiro, quatro pontos do Santos contra Fluminense ou Athletico Paranaense, três pontos do Cruzeiro contra Athletico Paranaense e Botafogo, dois pontos do Fortaleza contra Red Bull Bragantino e Goiás e um ponto do Internacional contra Cuiabá ou Corinthians.

Entretanto, uma vitória contra o Imortal, que luta especialmente por vaga no G-4, mantém o Vasco vivo até a última rodada. Por outro lado, sem mais confrontos diretos, precisa torcer para os rivais mais próximos perderem pontos.

A mesma UFMG calcula que a chance de o Vasco cair caso não pontue mais  é de 98,4%. Se chegar na casa dos 48 (o máximo possível em caso de duas vitórias), tem 0,02%.

Publicidade

Por outro lado, alcançar a marca dos 45 pontos já deixaria o time com chances maiores de seguir na elite, tendo em vista os 40,7% de probabilidade de rebaixamento.

Após marcar apenas 16 pontos no primeiro turno, o Vasco é o quinto colocado do returno, com 26 pontos. A recuperação, no entanto, pode esbarrar em derrotas cruciais, como a última contra o Corinthians.

Publicidade