Publicidade
Publicidade

Deyverson diz carregar uma única mágoa por saída do Palmeiras

Em entrevista exclusiva à PLACAR, centroavante do Cuiabá cita gratidão ao ex-clube, mas também expõe tristeza por promessa não cumprida

A passagem de Deyverson pelo Palmeiras teve a sua última página escrita em 30 de junho de 2022, após cinco anos de relacionamento, entre empréstimos ao Getafe e Alavés, da Espanha. Autor de importantes gols que deram ao clube o título da Libertadores de 2021, diante do Flamengo, e do Brasileirão de 2018, o atual atacante do Cuiabá diz nutrir enorme gratidão pelo Verdão, mas também carrega mágoas.

Publicidade

Em entrevista exclusiva à PLACAR, ele expõs chateação com uma pessoa específica, a quem prefere não nomear, e frustração por não ter tido um jogo de despedida. O bate-papo completo estará em PLACARTV e na edição de outubro da revista, que chega às bancas no próximo dia 17.

“Hoje eu falo de culpa [dessa pessoa] e de gratidão da mesma forma porque se eu estivesse no Palmeiras não viveria tudo isso aqui no Cuiabá. As coisas não estariam acontecendo da forma como estão acontecendo. Triste pelo fato dele ter prometido coisas e não ter cumprido. Ter falado coisas que alegraram o meu coração. Queria ter um jogo de despedida, não deixaram. São essas mágoas que ficam. Somos humanos, não podemos esconder essa tristeza, essa mágoa, essa frustração”, disse o atacante.

Publicidade

“Com a torcida não tenho nada o que dizer, é apaixonada pelo clube. Sempre me criticaram, apontaram o dedo para um monte de coisas, mas a torcida é apaixonada e nunca vou entrar em conflito com torcedor nenhum. Nunca entrei e não vou entrar agora. Eu amo a torcida do Palmeiras e sou grato a eles por todo carinho, por todo apoio, por todas as mensagens que me mandam e por todas as críticas que me fizeram ser o Deyverson que sou hoje, também. As críticas me ajudaram a ser melhor. Não me ajudaram a ser pior, me ajudaram a ser melhor. Porque é em cima das críticas que vou evoluir, fazer o que de melhor estão pedindo que é fazer gol, me esforçar… vou melhorando a cada dia que passa. Então, ao torcedor, minha gratidão eterna. E essa pessoa foi isso, entendeu? Me prometeu coisas que não se cumpriram e hoje estou vivendo o melhor momento da minha vida. Agradeço a essa pessoa”, completou.

Deyverson e a esposa Karina Alexandre com os títulos pelo Palmeiras - Cesar Greco/Placar
Deyverson e a esposa Karina Alexandre posam com os títulos do atacante pelo Palmeiras – Cesar Greco/Placar

O Palmeiras é o clube que ele mais defendeu na carreira, com 140 jogos, 30 gols… e seis expulsões. A torcida se dividia entre o amor e o ódio: o mesmo jogador capaz de decidir também podia perder a cabeça a qualquer momento. Ele também reconhece a própria imaturidade.

“A minha palavra é gratidão ao Palmeiras por tudo o que vivi. Fui muito feliz. Momentos maravilhoso, momentos de altos e baixos onde eu sei que a maior parte fui culpado pela imaturidade. Hoje em dia, ser mais maduro seria diferente, mas foi necessário viver isso tudo para conquistar o que conquistei. Fui muito feliz por 2018 ter feito gol do título, saindo do banco também, e o da Libertadores. Não tem o que falar se não fosse Deus na minha vida. Então Deus é o propósito disso tudo que tem acontecido na minha vida, no Palmeiras”, conta.

Publicidade
Deyverson foi homenageado em volta ao Allianz Parque pelo Cuiabá - Cesar Greco/Palmeiras
Deyverson foi homenageado em volta ao Allianz Parque pelo Cuiabá – Cesar Greco/Palmeiras

Nesta semana, PLACAR divulgará outros trechos da entrevista com o camisa 16, tanto no site quanto na PLACAR TV.  No papo, ele conta como trocou as polêmicas pelo que diz ser a melhor fase da vida – dentro e fora dos gramados.

Deyverson também fala da importância da esposa Karina Alexandre em sua transformação, recorda de conselhos importante de Felipão, amigos que rompeu relações, a rixa com Gabigol, a idolatria a Neymar, momentos de brilho na Europa, o futuro após o futebol, o projeto para chegar à seleção brasileira e sobre os momentos inesquecíveis, como o gol que deu ao Palmeiras o título da Libertadores.

Publicidade