Publicidade
Publicidade

Conmebol oficializa uso de ranking na Libertadores 2016

Inspirado em medida da Uefa, cabeças de chave serão definidos de acordo com o histórico das equipes na competição sul-americana

A próxima edição da Copa Libertadores terá mudanças na composição dos grupos. A Conmebol confirmou nesta quinta-feira que irá instituir um ranking de clubes, inspirado no que acontece na Liga dos Campeões da Europa, para definir sete dos oito cabeças de chave do torneio. O campeão da edição anterior (atualmente, o River Plate) será o primeiro cabeça de chave.

Publicidade

Leia também:

Boca Juniors vence Tigre e é campeão argentino

River Plate arrasa Tigres e conquista Libertadores após 19 anos

Na Argentina, craques voltam por amor à camisa. No Brasil…

Continua após a publicidade

As mudanças já eram esperadas e passam a valer para o próximo ano, cujo sorteio dos grupos está marcado para 22 de dezembro. “O ranking está sendo estabelecido neste momento pelo departamento de competições e de estatísticas para achar a pontuação de todos os times que participam da Libertadores”, disse Hugo Figueiredo, diretor de Competições da Conmebol, horas depois do encerramento da reunião do Comitê Executivo da entidade, realizada no Rio de Janeiro.

“Vamos usar um critério meramente esportivo, no qual vai ser valorizada a pontuação dos times nos últimos dez anos e, além disso, a história em si de todos os times na Libertadores, desde 1960”, explicou Figueiredo. Além dos cabeças de chave, o ranking também servirá para definir os times que irão compor as linhas dois e três nos grupos.

Publicidade

Com a nova regra, clubes de Brasil e Argentina serão beneficiados, já que os dois países vêm monopolizando as conquistas. “Se há mais times de Brasil e Argentina…Bom, o futebol é assim. A gente ao menos acha que a performance esportiva deve ser levada em conta”, considerou Figueiredo.

Nos últimos anos, os cabeças de chave eram escolhidos pela forma como se classificaram à competição (o atual campeão e os campeões nacionais levavam vantagem). A nova regra deve evitar casos como o de 2015, quando o Grupo 2 reuniu o San Lorenzo (então atual campeão), o tricampeão São Paulo e o Corinthians, vencedor do troféu em 2012, além do Danubio, então campeão uruguaio.

(com Estadão Conteúdo)

Publicidade
Continua após a publicidade

Publicidade