Publicidade
Publicidade

Conmebol condena violência e aponta FIFA como responsável por ‘sanções’

Clássico entre Brasil e Argentina fica marcado por guerra nas arquibancadas, enquanto Venezuela e Peru tem acusação de xenofobia e jogador agredido por policial

Após uma data Fifa marcada por episódios de violência na partida entre Brasil e Argentina e nos bastidores do jogo entre Peru e Venezuela, a Conmebol soltou uma nota abordando o assunto. A entidade sul-americana condenou os episódios e reforçou que segue tomando ações para “banir a violência” do futebol. Além disso, reforçou que a responsável por conduzir investigações e distribuir punições é a FIFA.

Publicidade

Nesta terça-feira, antes do pontapé inicial para Brasil e Argentina, uma briga se iniciou em um setor misto do Maracanã e precisou ser contida pela polícia militar, o que atrasou o começo da partida em 30 minutos. Em campo, a seleção campeã do mundo em 2022 venceu o confronto por 1 a 0, com gol de Otamendi.

Também na terça, o Peru recebeu a Venezuela e empatou em 1 a 1, com gols de Yoshimar Yotún (PER) e Jefferson Savarino (VEN). No entanto, esse compromisso também ficou marcado por episódios de violência e acusações de xenofobia após o jogo.

Publicidade

O zagueiro Nahuel Ferraresi, do São Paulo, denunciou que foi agredido por policiais após o apito final e que se machucou levemente no ocorrido.

Já na saída da delegação, o avião venezuelano foi impedido de se reabastecer no Aeroporto Internacional Jorge Chávez. A Federação Venezuelana de Futebol (FVF) emitiu um comunicado afirmando que a seleção está sofrendo medidas restritivas, enquanto Jorge Giménez, presidente da entidade, disse ter “tolerância zero às agressões, à xenofobia e aos abusos sofridos pela família ‘Vinotinto’”.

Confira a nota oficial da Conmebol na íntegra: 

Após os acontecimentos ocorridos durante as Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2026 e com o objetivo de informar a opinião pública, cabe o seguinte esclarecimento:

Publicidade

A CONMEBOL condena todas as formas de violência e sempre cooperará com ações que visem banir a violência, o racismo, a xenofobia e a discriminação.

Neste sentido, a Confederação Sul-Americana tem trabalhado sistematicamente para erradicar este flagelo que atinge o futebol sul-americano e mundial; e se coloca à disposição para continuar colaborando em qualquer iniciativa que busque erradicar a intolerância e a violência no esporte.

Da mesma forma, destaca-se que a CONMEBOL não é organizadora das eliminatórias para a Copa do Mundo.

O desenvolvimento das regras que regem as eliminatórias, bem como a decisão de abertura de investigação e a aplicação de possíveis sanções, são competências exclusivas da FIFA.

Publicidade